Saúde

Cirurgia de fimose infantil: em quais casos ela é necessária?

A chegada de um bebê na família significa o início de muitos momentos felizes e, ao mesmo tempo, de inúmeras responsabilidades na vida dos pais. Além da atenção ao sono, alimentação e higiene, outra preocupação que surge sobre o bem-estar do menino é a questão da saúde íntima e a necessidade da cirurgia de fimose infantil.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, a estimativa de casos indica que a fimose afeta cerca 97% das crianças nascidas biologicamente no sexo masculino. Porém, este número é reduzido para “10% aos 3 anos de idade e gira em torno de 1 a 3% nos adolescentes”.

Esses dados indicam que, embora a fimose seja muito comum entre bebês recém-nascidos, essa condição pode desaparecer com o tempo e dispensar a necessidade de uma cirurgia. Entretanto, para que isso ocorra, alguns cuidados precisam ser tomados a fim de evitar problemas no futuro.

Sabemos que a ideia de ver um filho passar por qualquer cirurgia pode assustar muitos pais. Por isso, neste artigo separamos algumas informações valiosas para você entender melhor quando a cirurgia de fimose infantil é necessária e quais as suas alternativas. Confira!

O diagnóstico da fimose na primeira fase de vida

Embora a preocupação com a fimose seja um assunto cada vez mais abordado entre os pais e especialistas, algumas explicações imprecisas podem dificultar o processo de diagnóstico e atrapalhar o tratamento desta condição em crianças.

Um homem branco de camisa verde clara carrega no colo um bebê com roupa branca e listras verdes, enquanto sorri ao olhar em sua direção.

Saber mais sobre a fimose pode auxiliar em seu tratamento e prevenção durante a primeira infância.

Inicialmente, o conceito de fimose e prepúcio gera bastante confusão entre as pessoas. Ao visualizar que uma pele cobre a glande do pênis, muitos pais e jovens acham que estão lidando diretamente com a condição de fimose, quando, na verdade, isto pode ser apenas o prepúcio.

O prepúcio é uma parte que constitui o órgão genital masculino. Responsável pela proteção e lubrificação natural da glande, se essa pele estiver impedindo uma exposição total da cabeça do pênis, então estamos falando de um caso em que este membro está sendo afetado pela condição de fimose.

Nesta ilustração, um pênis situado acima na imagem remonta um caso normal do prepúcio, enquanto a figura abaixo demonstra um caso típico de fimose.

Embora seja uma confusão comum, existem diferenças claras entre o prepúcio e a fimose.

Em crianças de até 5 anos de idade, os casos de fimose costumam ser classificados como primários, ou seja, são uma condição fisiológica e que pode ser resolvida sem a necessidade da cirurgia de fimose infantil ou maiores preocupações.

Leia também  Cuidados com o pós-operatório da fimose infantil

No entanto, se a fimose não desaparecer após essa idade, essa condição pode se tornar realmente grave na adolescência e na vida adulta. Diante disso, o papel dos pais é fundamental para o diagnóstico e tratamento adequado!

Além de promover um acompanhamento pediátrico regular, é dever dos pais observar como está o desenvolvimento do órgão genital da criança durante seus primeiros anos de vida. 

Instruir as crianças sobre os sintomas da fimose, como dores, inchaços e sangramentos, além de explicar sobre a importância da higienização íntima pode servir diretamente na prevenção e diagnóstico do quadro dessa condição.  

Formas de tratamento da fimose

Em muitos casos, a cirurgia de fimose, também chamada de postectomia, pode ser tratada como um meio preventivo. Apesar de ser uma escolha viável por seus benefícios, o ideal é que esse procedimento só ocorra caso outras formas de tratamento não tenham eficácia.

 

Em uma cama com lençóis brancos, um bebê de fraldas está deitado enquanto observa uma mulher de camiseta branca que está sorrindo enquanto interagem.

Algumas maneiras tradicionais de tratamento da fimose em crianças podem dispensar a necessidade de cirurgia.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre a fimose e seu diagnóstico, separamos os principais tratamentos alternativos dessa condição que, se forem efetivos, podem evitar a cirurgia de fimose infantil. Dê uma olhada! 

Método de exercício do prepúcio 

O tratamento que envolve o exercício do prepúcio é um dos primeiros procedimentos que os pais e responsáveis adotam. Com uma eficácia comprovada, esse método consiste numa leve tração da pele que cobre a glande do bebê durante os momentos de banho.

Em uma banheira branca, um menino joga água de um pequeno balde amarelo em sua cabeça enquanto toma banho. À direita da imagem, uma mulher de blusa rosa e branca listrada o supervisiona, sorridente.

Para exercitar o prepúcio, basta realizar leves trações nessa região durante o banho.

A ideia por trás desse exercício é simples: ao movimentar com cuidado o prepúcio da criança, a tração faz com que a pele presa à glande seja solta e de circulação livre com o tempo.

Leia também  Por quê a cor dos olhos do bebê pode mudar?

Vale lembrar que, quando estiverem mais crescidas, as crianças devem ser ensinadas sobre esse método, porque além de facilitar a higienização, isso permite ao seu filho um aprendizado sobre os cuidados gerais com esta região.

Método de aplicação de pomada

A pomada de corticóide tópico é outra saída para evitar um procedimento cirúrgico. Com um período de tratamento que pode variar entre um e dois meses, esse método consiste na aplicação de um creme ou pomada prescrita por um médico na região prepucial.

É importante lembrar que esse método só deve ser utilizado se for receitado por um médico. Então, leve o seu filho a uma consulta e converse com o profissional sobre a possibilidade de utilizar a pomada no tratamento, combinado?

Meu filho precisa passar pela cirurgia, e agora?

Em uma sala de consultório, está um médico realizando anotações uma prancheta azul enquanto observa um homem de camisa branca que segura um bebê de roupa preta, simbolizando um momento de consulta com urologista para avaliar a necessidade da cirurgia de fimose infantil.

A cirurgia de postectomia apresenta riscos baixos na grande maioria dos casos.

Se o caminho escolhido pelo médico urologista para tratar essa condição for a cirurgia, mantenha a calma! Segundo os dados divulgados pela Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo, esse tipo de cirurgia possui baixo risco de complicações, com cerca de 98% dos procedimentos cirúrgicos sendo bem sucedidos.

Para garantir um bom desenvolvimento, o ideal é que a cirurgia seja feita antes da adolescência para que os meninos não passem por nenhum desconforto durante seu crescimento. 

No Brasil, o tratamento cirúrgico da fimose pode ser realizado pelo SUS. Então, não deixe para depois e procure por acompanhamento médico para seu filho iniciar o tratamento da melhor maneira possível!

Quer saber mais sobre a cirurgia de fimose infantil? Não deixe de conferir nosso blog e aprenda mais sobre cuidados com a fimose das crianças ao longo da primeira infância!

Fontes: 

  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Fimose: o que é, diagnóstico, causas, sintomas e cirurgia. Disponível em: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/fimose. Acesso em 4 de mai 2022.
  • PORTAL DA UROLOGIA. 97% dos meninos nascem com fimose. Disponível em: https://portaldaurologia.org.br/publico/dicas/97-dos-meninos-nascem-com-fimose/. Acesso: Acesso em 4 de mai 2022.
  • TUA SAÚDE. Fimose: o que é, como identificar, tipos e tratamento. Disponível em: https://www.tuasaude.com/fimose/. Acesso em 3 de mai 2022.
  • SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO. Fimose não deve preocupar pais nos primeiros meses de vida dos filhos. Disponível em: https://www.saude.sp.gov.br/ses/noticias/2010/fevereiro/fimose-nao-deve-preocupar-pais-nos-primeiros-meses-de-vida-dos-filhos. Acesso em 3 de mai 2022.