Educação

As diferenças de ser mãe de 1, de 2 e de 3 filhos!

Oi, gurias! 

Eu sou Angela, mas podem me chamar de Angi! Sou Educadora Física de formação, mas – desde quando o meu primeiro filho nasceu – escolhi ficar com ele e trabalhar em casa. Como sempre gostei de cozinhar, comecei a fazer cupcakes para vender. Ao mesmo tempo, escrevia o Blog Mãe de Guri para compartilhar minhas experiências, dúvidas e dilemas de mãe. Ser blogueira tornou-se minha profissão. Atualmente, sou uma feliz mãe de 3 guris, amo ser blogueira, ainda faço cupcakes (mas só para festas de família) e também sou doula!

Estarei aqui no “É coisa de menino” compartilhando minhas vivências com vocês para refletirmos juntas, trocarmos experiências e tornarmos a vida de mãe mais tranquila e leve! Hoje vim falar sobre as diferenças de ser mãe-de-um, mãe-de-dois e mãe-de-três, vamos bater um papo?

A transição de mãe-de-um para mãe-de-dois foi mais tranquila do que eu pensei! Sério!
Acho que ser mãe-de-dois é beeeem mais fácil do que ser mãe-de-um. Ué, mas como assim?!

A minha vida ficou muuuito mais prática! Já não tinha tantos medos com o bebê, não ficava uma hora fazendo arrotar com medo que engasgasse, nem tive tantos cuidados em relação à esterilização de chupeta ou do copo de treinamento. A experiência e a maturidade me ensinaram uma grande lição: valorizar sempre minha intuição, fazer o que eu acreditava ser o melhor para nossa família e não me importar tanto com a opinião/expectativa dos outros.

A verdade é que, como mãe de primeira viagem, muitas vezes me sentia sem experiência e dava muita importância para o que os outros falavam. Mas, só vivendo a sua própria vida você apenderá qual é a melhor escolha para sua família. Às vezes, o que é melhor para sua amiga, não funciona na sua rotina e tudo bem, ué.

Ter um filho dá muito trabalho, ter dois filhos dá muuuuuito mais trabalho, pois são mais unhas para cortar, fraldas para trocar, dentes para escovar, banhos para dar, bocas para alimentar, tarefas da escola para acompanhar… Mas, ao mesmo tempo, a gente aprende a priorizar os filhos e não a casa sempre arrumada. Assim, não se fica frustrada por não dar conta de todos os afazeres domésticos: focamos no que foi feito e não no que falta fazer!

Além disso, há mais uma lição: a gente aprende que às vezes precisamos nos priorizar e isso significa termos um tempo para nós, seja para cuidados de beleza, tomar um café com as amigas, praticar uma atividade física ou ler um livro. Isso é muito importante! Mãe também é gente, é fundamental estar feliz para que os filhos também estejam!

Mas não é só praticidade não. Muito mais difícil do que o trabalho do dia a dia, ter dois filhos é ter que escolher qual filho atenderemos primeiro. Normalmente, o bebê demanda muito da mãe, então nada mais natural do que atender as necessidades dele: amamentar, trocar fraldas, fazer arrotar, trocar roupa. Também é normal nos sentirmos culpadas por não podermos ser a mãe que sempre fomos para o primeiro filho. E eis aí mais um aprendizado da maternidade: cada filho é único, assim como a mãe é/será diferente para cada filho!

A mãe ama igualmente os filhos, não tenho a menor dúvida, mas por serem pessoas tão diferentes, a mãe age diferente com cada um deles. Aí primeiro vem a culpa por não ser “igual” com os dois filhos, depois o entendimento de que não tem como ser igual, até porque os filhos são diferentes e aos poucos vem a aceitação da nova mãe que estamos nos tornando! Essa aceitação não acontece de um dia para o outro, é um processo, aos poucos vai caindo a ficha de que somos a melhor mãe que podemos ser!

Aí você está achando tudo tão mais prático, se sentindo a mãe maravilha e quer o que? Mais um filho, claro! Apesar de ser mais fácil lidar com as mudanças físicas, psicológicas e hormonais, pois você já passou por isso outras vezes, o trabalho é beeeeem maior! São 60 unhas para cortar, fraldas para trocar, dentes para conferir a escovação, 3 banhos todos os dias (ou mais, né?), roupas para lavar, refeições para preparar.. Sem contar filhos com idades diferentes nos desafiando física e mentalmente!

É mais prático, é mais prático. Mas é beeeem mais cansativo!

Todos os dias, muitas mães me perguntam como eu consigo fazer tantas coisas com 3 filhos, que elas com um ou dois filhos não fazem nem metade do que eu faço. Eu digo: a gente aprende a se organizar com as refeições e as tarefas do dia a dia sem se cobrar demais para não ficar sempre com uma sensação de que não fazemos nada, pois muitas vezes não conseguimos finalizar o que começamos, não é mesmo?! Então a minha dica é FOCAR naquilo que precisa ser feito e fazer uma listinha, assim ao final do dia você poderá ver tudo que fez e o que ficou para outro dia.

E o conselho mais importante: ACEITAR! Aceitar que nunca vamos dar conta de tudo, que sempre ficará algo por fazer e a solução é priorizar o que é mais importante para nós! Aceitar que os filhos são diferentes e que também seremos diferentes com eles. Aceitar que dá muito trabalho, que é uma fase e lembrar que foi uma escolha! Aceitar que também precisamos cuidar da gente! Assim tudo fica mais leve e a gente até se pega pensando em como seria ser mãe-de-quatro! Mas isso é assunto para outro post! Kkkkkk

Beijos,
Angi